A customização em massa, como vimos no artigo anterior, já é uma realidade. E está ficando cada vez mais disponível para todos os públicos.

Porém, os mais céticos podem se perguntar sobre a relação entre as inovações tecnológicas e o surgimento de um paradigma no qual cada consumidor é REALMENTE único. A principal dúvida é como ter suas necessidades específicas (de cada cliente) atendidas por um custo acessível.

Assim, neste artigo falaremos sobre uma variedade de necessidades individuais, e das máquinas, tecnologias e oportunidades que surgiram, surgem e surgirão para atender tais demandas.

IMAGINAÇÃO, IMAGEM E AÇÃO: NOVOS JOGOS OU UMA ALTENATIVA, AFINAL?

Gosto de jogos em geral. Em particular, os de tabuleiro, principalmente por sua beleza estética. Recentemente, tive contato com uma obra prima chamada “Tokaido”.

Um lindo jogo, em todos os aspectos, exceto por um: os peões que simbolizam os personagens são todos iguais, modifica-se a cor e só. Isso atrapalha a experiência, pois no jogo, os personagens são sacerdotes, gueixas e samurais. Um tanto decepcionante ver toda essa diversidade representada por peões de madeira coloridos.

 Mas a essa altura, o leitor já deve estar se perguntando: Afinal, o que isso tem a ver com customização em massa, máquinas e novas tecnologias?

A resposta é simples: Ao ver a necessidade de uma experiência diferenciada, busquei pelos fabricantes, que me brindaram com uma imensa variedade de novos itens, alguns deles customizados de forma mais geral (estatuetas dos personagens, moedas) e outros encomendáveis extremamente detalhados, e o melhor: sempre ao gosto do freguês.

Algo impossível de se imaginar em minha infância, passada entre as brincadeiras na rua e as partidas do “Jogo da vida” (todo em plástico) produzido em série e sem diferencial algum.

No momento em que escolhia os novos itens para meu mais novo jogo favorito me perguntei: Será que as pessoas das décadas passadas se contentavam com uma experiência tão limitada, ou será que simplesmente se conformavam com o que era possível na época?

A resposta veio rápida. Claro que as pessoas queriam uma experiência diferenciada, como sempre desejaram – para sentir-se únicas – mas na falta da possibilidade, utilizava-se a imaginação.

Imaginação essa que ganhou novos limites com o surgimento de uma tecnologia simples, mas revolucionária, que servirá como base para entendermos como a tecnologia nos proporcionou escolhas, protagonismo e afirmação: A impressora 3D.

 Baseada na premissa das impressoras convencionais, a impressora 3D leva o processo de fazer cópias a um novo patamar, no qual é possível projetar componentes únicos e produzi-los a partir da modelagem tridimensional, processo até então tributário da engenharia e do design de produtos – porém, com esta máquina nova infinitas possibilidades surgem…

UM MERCADO DE INFINITAS POSSIBILIDADES

Se podemos aplicar a customização via impressoras tridimensionais para produzir peças únicas para um jogo, é claro que se pode fazer o mesmo com peças das mais variadas formas, texturas e cores para diversos interesses de consumidores em geral!

As possibilidades vão desde próteses odontológicas e componentes automotivos até intrincados dispositivos para auxiliar na mobilidade de pessoas portadoras de limitações físicas, por exemplo. E tudo na medida exata, conforme a real necessidade de cada um.

Na mesma esteira, vêm máquinas que produzem serigrafias, equipamentos que são capazes de estampar tecidos em uma variedade jamais sonhada. Máquinas que produzem bordados a partir de ilustrações à escolha do cliente são bem populares, mas já temos agora dispositivos como a Kiniterate, uma máquina de costura digital que eleva a capacidade dos teares eletrônicos ao próximo nível, e permite produzir peças de “sob medida” e de forma automatizada.

Diversas marcas, atualmente, utilizam a customização em massa em maior ou menor grau. Ou seja, nunca na história da humanidade os slogans “como e quando você quer” e “faça você mesmo” tiveram tanto a nos oferecer, seja para produzir, seja para consumir…

Como exemplos, temos a já citada Adidas, com seus tênis customizados e a Dell – que possibilita comprarmos exatamente a máquina que desejamos, escolhendo os principais componentes da configuração desejada com base em um menu disponível no site da empresa.

Mais recentemente, a Brastemp (junto com a Ambev) lançou a B.blend, primeira máquina de bebidas all-in-one do mundo a oferecer mais de 10 diferentes tipos de categorias a partir de cápsulas e que permite customizar seu próprio refrigerante ao toque de um botão.

Ainda no setor alimentício, há o exemplo da alemã Mymuesli, que disponibiliza aplicativos que permitem customizar seu café da manhã: Os usuários podem misturar e personalizar seus cereais orgânicos que são enviados para suas casas ou para a loja Mymuesli mais próxima. São mais de 80 ingredientes diferentes e mais de 566 quatrilhões de combinações possíveis. Os clientes podem ainda escolher o nome do mix e tê-lo impresso na embalagem. Que tal?

E não para por aí: Os cientistas do VTT Technical Research Centre of Finland Ltd estão perto de desenvolver uma tecnologia de processamento de alimentos que permite a fabricação de lanches em uma impressora de três dimensões, customizando até mesmo as quantidades de nutrientes.

No futuro, espera-se desenvolver máquinas de alta tecnologia que produzem lanches sob medida para suas necessidades nutricionais, revolucionando a indústria de fast food, e eliminando o principal argumento contrário a esse tipo de alimento – o de que seria pouco saudável.

UM FUTURO PROMISSOR OU MAIS DO MESMO

Contudo, apesar de impressionar, as atuais iniciativas em customização em massa falham em aprender a projetar novos produtos sob medida de maneira eficiente.

Clientes da grande maioria das empresas (realmente capazes de produzir itens customizados em larga escala) dispõem somente de um número limitado de componentes padronizados e de combinações possíveis para montar o produto desejado, mas pouco espaço para criar ou inovar.

Em outras palavras, com a customização em massa, o custo de fabricação de produtos específicos (únicos) despencou, mas o mesmo não aconteceu com o custo de projeto. Para que estes últimos acompanhem a queda dos primeiros, é preciso dar ainda mais foco ao principal interessado e grande motivador da customização: O cliente. Como fazer isso?

 Talvez dando ao cliente liberdade criativa suficiente para projetar produtos sob medida, inovadores e capazes de atender efetivamente às suas necessidades.

O caminho ainda é longo, mas investindo na capacitação e contratando profissionais qualificados para conduzir as empresas nesta nova estrada, um dia, a customização total e a expressão da individualidade humana em itens de consumo cotidianos se tornará uma realidade. Uma revolucionária realidade!

CUSTO SEM SUSTO

Porém, os que leram nosso artigo anterior podem se recordar de um dos principais entraves para a customização massiva, que também está presente, de modo indireto, no início do presente texto: O preço da exclusividade.

À primeira vista, tecnologias tão complexas e eficazes parecem caríssimas. A própria noção de valor nos diz isso: fomos criados em um ambiente no qual avanço técnico sempre foi sinônimo de investimento pesado em produção e alto custo do produto final.

 Temos que abandonar velhos conceitos e certezas para entrar de fato em um novo paradigma e abraça-lo por completo. Para ajudar na transição, um dado interessante: Uma impressora 3d simples custa já custa em média dez mil reais e esse preço tende a cair mais.

 Portanto, ao contrário do que possa parecer toda essa tecnologia é bastante acessível, até mesmo para pequenos empreendedores. Enquanto suas vantagens são inúmeras, já que a customização representa um diferencial de mercado.

Mais uma vez, atestamos que a tecnologia utilizada a favor do homem não é nociva, e nem traz em si o fechamento de portas, mas sim o surgimento de maiores e melhores oportunidades.

Ah, ia me esquecendo: Meu jogo ficou muito mais interessante depois dos novos peões, e eu me sinto agora muito mais exclusivo e o melhor é que isso não é exclusividade minha. Entendem?

Se me impressionou, com certeza é bom investir em aquisição de novas tecnologias, customização destas tecnologias para sua necessidade e, principalmente treinar o pessoal especializado para usufruir ao máximo das inovações tecnológicas disponíveis. Certamente, os seus clientes vão agradecer e a iniciativa vai fazer toda diferença na hora de calcular os seus lucros.

LEIA TAMBÉM OS ARTIGOS QUE ESTAVAM ESCONDIDOS NESTE TEXTO COMO LINKS:

INDUSTRIA 4.0: FIM DA PRODUÇÃO EM MASSA OU NOVA ERA DA CUSTOMIZAÇÃO EM MASSA

INDUSTRIA 4.0: MAIS MÁQUINAS MENOS SISTEMAS  

COMO OBTER OS MELHORES RESULTADOS COM UMA SOLUÇÃO MES?

CORTE CERTO COM A NAVLHA DE OCKHAM

MITOS E VERDADES SOBRE AS PROFISSOES DO FUTURO!

QUAL É O PROBLEMA?

COMO OBTER LUCRO GERENCIANDO OEE?