Uma pergunta muito simples e cotidiana, ouvida muitas vezes, e em diversas situações na esfera pessoal ou profissional. Geralmente, trata-se mais de uma pergunta retórica, para a qual nem sequer se espera uma resposta ou solução. Apenas uma declaração de empatia, porém não um interesse real na resolução do problema. Nossa sociedade aprendeu a encarar os problemas dessa forma: problemas são situações adversas, complicações, impasses ou obstáculos a serem superados, situações das quais devemos nos desvencilhar.

Uma vez solucionado o problema, via de regra, evitamos voltar a pensar sobre ele, e o colocamos no mais fundo arquivo da memória. Afinal, vivemos em tempos onde a felicidade parece escassa, e debruçar-se sobre casualidades desagradáveis é visto como perda de tempo. Até por isso, precisamos ocupar nosso tempo com coisas úteis e que agreguem algum tipo de valor ou vantagem para nosso cotidiano.

Problemas, em sua totalidade, não são encarados como algo que valha a pena analisar detalhadamente, ou como objeto de reflexão. Alguns acreditam que os contratempos e inconvenientes são assim mesmo e sempre serão, podemos até conviver com eles o resto da vida sem dificuldades. Outros sabem que as dificuldades são problemas mas oportunidades de ser melhor ou melhorar a condição, basta resolver o problema, certo?!

Mas veja que até o momento, falamos aqui sobre o tema da resolução de problemas na esfera individual, ou seja, como pessoas lidam com obstáculos desagradáveis que as impedem de realizar um determinado projeto ou atingir um objetivo.

Isso soa estranho para um texto que pretende atingir um público mais interessado em nos ler para a resolução de problemas de processos e de gestão. Bem, eu sei disso. Todavia, não é por acaso que iniciamos o texto falando sobre a experiência individual e o viés individualista de compreensão, detecção e solução de problemas. Fazemos desta forma, por estarmos certos de que o caráter individualista que permeia nosso tempo não é, nem de longe, restrito à vida particular das pessoas.

QUAL O SEU PROBLEMA?!

O individualismo, ou mais precisamente, a tendência de isolar a parte do todo, se transpõe a todo momento da esfera individual para a coletiva, e aí está incluso querido leitor uma importante questão para quem busca aprimorar processos e atingir melhores níveis de produtividade com sua equipe, afinal, para aumentar seus resultados a resoluções de problemas será um caminho a ser trilhado.

Dito de outra forma, devemos compreender que é preciso sair da esfera do indivíduo, se o desejo é conhecer as causas das situações-problema. Seja os problemas que afetam uma cadeia produtiva ou inclusive problemas que afetam a nossa vida doméstica. Afinal, problemas são resolvidos melhor em equipe onde duas cabeças pensam melhor que uma.

Assim, fica claro que o primeiro passo para identificar, manejar e resolver problemas é entender que eles são situações que dependem de muitas variáveis, e que nunca, jamais, podem ser vistos como algo isolado, individual e subjetivo, por mais tentador que seja esse pensamento, uma vez que como tudo no universo, os problemas possuem causas e efeitos que se conectam objetivamente com uma miríade de fatores.

Mas precisamos de uma pausa!

Estamos falando sobre problemas, mas até agora, o que dissemos foi acerca dos problemas na esfera do senso comum, de como se encaram obstáculos do ponto de vista cotidiano, algo que pessoas e empresas fazem com frequência. Para tanto, pressupõe-se não apenas acabar com o problema, mas impedir que ele se torne recorrente ou que sua resolução seja somente pontual e não traga nada além da satisfação imediata. Para isso, é preciso, antes de mais nada, entender, não superficialmente qual é o problema (?) mais precisamente: o que é o problema. Vamos a isso.

QUAL A ORIGEM DO PROBLEMA?

A noção de problema é originária da matemática (Proclo e Euclides), que foi a primeira disciplina do conhecimento a diferenciar o problema da noção de teorema. Por sua vez, um teorema é uma proposição que se conclui logicamente verdade devido a validação de seus pressupostos. Nesse sentido, a resolução de uma problema seria derivada do raciocínio lógico.

Posteriormente, Aristóteles coloca o problema no campo da dialética – a esfera do discurso provável, onde não há verdade absoluta, onde não há ainda ciência. Constatado o problema de ordem prática, e é de prática que falamos, temos de escolher entre opções ou simplesmente recusarmo-nos a encontrar uma solução.

Todavia, é John Dewey em sua “Lógica”, quem mais se aproximará da definição de problema que nos interessa, para ele o problema é:

“A situação que constitui o ponto de partida de qualquer indagação, ou seja, a situação é indeterminada. Ela se torna problemática no próprio processo de sujeição à indagação.”

Ou seja, problema é uma determinada questão a ser solucionada ou um determinado assunto que requer uma solução. Uma vez resolvido, se torna benéfico para quem o soluciona ou para o grupo que encontra a solução, tanto pelo aprendizado que vem com a resolução, quanto pelo próprio desdobramento de causas e efeitos. Desta forma, elimina-se não apenas problemas e falhas mas também mistérios, charadas, enigmas e dúvidas.

PORQUE TODO PROBLEMA REQUER SOLUÇÃO SEMPRE!

Percebe o que queremos demonstrar, leitor?

Nada adianta observarmos as coisas pela ótica do senso comum, quando o que queremos é estabelecer conceitos e desdobra-los em relações de causa e efeito que efetivamente nos darão um panorama real do que queremos analisar e resolver enquanto problema. Por isso, adianto que não devemos, nunca, entender “problema” como algo necessariamente ruim, que deve ser ultrapassado e sepultado assim que possível.

Problema é sobretudo o contrário disso, pois esconde o bem maior resultante da melhoria da condição atual, e é o que nós faz sair das atuais condições problemáticas para um futuro de realização, melhoria e satisfação. Portanto, o que cremos ser útil ao nosso leitor é a apreensão de uma definição concisa, coesa e prática do que é um problema. E, como sempre, a filosofia tem a resposta.

O PROBLEMA E A FILOSOFIA

Em filosofia um problema é, em geral, qualquer situação que inclua a possibilidade de uma alternativa. Explico: Na filosofia, assim como na vida, o problema, ao ser solucionado não deixa de ocorrer, necessariamente, dando origem ao conceito de problematicidade – um ponto importantíssimo para quem deseja entender esses conceitos para uma aplicação prática.

Pois problemas, caro leitor, são extremamente úteis, especialmente quando se trata de sair do estado atual para o estado desejado. E essa utilidade vem justamente do que se pode aprender com um problema, que, como vimos, não é nem mesmo algo necessariamente ruim, mas simplesmente uma questão na qual se observam alternativas e onde a reflexão e a observação iluminam para nós o caminho da solução e abrem as portas da compreensão.

Toda situação problemática é passível de resolução através da observação de três elementos básicos: os dados necessários para resolvê-lo (sempre explícitos), o método ou a relação entre os dados (que é aquilo que se deve averiguar) e o resultado procurado (ao qual se chega depois de seguir certas regras de raciocínio e hipóteses/inferências que surgem dos dados).

Isso colocado e compreendido, deve-se seguir três passos básicos: compreender aquilo que é perguntado, abstrair o problema (encontrar uma forma de representar o problema e resolvê-lo) e entender o que significa o resultado ao qual se chegou.

Para concluir, quero te convidar refletir um pouco mais: O que você faz quando se depara com um problema? Perguntamos, pois, atualmente, pessoas capazes de resolvê-los são os realmente considerados necessários, indispensáveis e, as vezes, até insubstituíveis para seus clientes ou empregadores. Lembrando que se você não está conosco no grupo indispensáveis, pense que na lógica, você corre o risco estar entre os dispensáveis.

Não deixe que os obstáculos e problemas tirem a sua motivação de chegar onde quer e não seja alguém que cria mais empecilhos para qualquer situação problemática que surge. A solução vem de dentro e cada problema é uma nova oportunidade de melhorar.

Gostou de conhecer nosso ponto de vista sobre problemas? Muito diferente do que você entendia como problema? Esta definição foi útil para você e para o seu empreendimento? Deixe sua opinião nos comentários.