Entre os problemas que um treinamento pode resolver a fim de garantir que as empresas sejam capazes de melhorar continuamente, podemos citar:

  • Entender o que Melhoria Contínua realmente significa;
  • Atribuir precisamente a responsabilidade de cada pessoa envolvida na Melhoria Contínua dos processos, capacitando-as para o resultado esperado;
  • Estabelecer um arcabouço forte, ou seja, uma cultura organizacional de excelência e alta performance capaz de garantir a Melhoria Contínua;
  • Sustentar o desenvolvimento da Melhoria Contínua, garantindo a coordenação e o aprimoramento das ações com foco no resultado crescente.

A seguir explicaremos no detalhe como um sólido programa de treinamento se relaciona com cada um desses aspectos citados. Também detalharemos quais são os principais erros a serem evitados para garantir os resultados positivos de um programa de treinamento e capacitação voltado para desenvolver competências necessárias para se alcançar a Melhoria Contínua.

 

  1. ENTENDER O QUE REALMENTE SIGNIFICA MELHORIA CONTÍNUA

“A vontade de se preparar tem que ser maior do que a vontade de vencer.”

Bernadinho de Rezende (técnico da seleção brasileira de vôlei)

 

Um dos melhores resultados esperados de um treinamento é que todos os participantes entendam realmente o que cada conceito apresentado representa para ações rotineiras de seu trabalho: fazendo com que, mais do apenas exercer uma função dentro de um processo, todos estejam “realizando” resultado, ou seja, contribuindo para o “resultado tornar-se real”.

Até mesmo a definição do que é o “resultado” precisa ser entendida e compartilhada de forma a direcionar o propósito estabelecido.

Pois, o significado de “resultado” (inclusive de um treinamento de melhoria continua, por exemplo), podem ser vários: aumentar a produtividade e qualidade da produção, reduzir custos, garantir maior lucro, eliminar atrasos na entrega, otimizar os processos produtivos minimizando desperdícios e etc.

A Melhoria Continua ocorre, principalmente, através de pequenas melhorias realizadas sempre que possível e, isso só é consolidado quando, gradualmente são realizadas melhorias em diversas amplitudes e (se possível) simultaneamente por todos os envolvidos no resultado do processo.

Pense num carro fabricado hoje. Se você comparar um carro novo aos que foram fabricados a 50 anos atrás vai fica fácil ver que a diferença é enorme. E chegamos a essa diferença aos poucos e não de uma só tacada.

A base de qualquer programa de Melhoria Continua é o Treinamento, mas NÃO aquelas ações de treinamentos dispersas, cheias de slogans e conceitos teóricos, porém com pouquíssima (ou nenhuma) relação com a realidade das atividades operacionais, técnicas ou gerenciais do processo a ser melhorado.

Por isso também, não basta as Pessoas encararem os problemas como oportunidades de melhoria é preciso criar a cultura de que tudo o que é feito hoje pode ser feito melhor, sempre.

O mais comum de ver são empresas achando que 5S é um mutirão de faxina, que os treinamentos de lideranças precisam discutir se a liderança é inata ou aprendida e que fazer todos decorar a meta de ‘zero defeito’ vai garantir a satisfação do cliente.

Nem precisamos dizer o quanto isso é ineficiente e ineficaz…

Vale lembrar que metas assim são tão inúteis quanto acreditar que uma meta de zero acidentes poderá garantir a segurança de todos, no entanto, isso só é possível se eliminar condições e atos inseguros.

 

  1. ATRIBUIR PRECISAMENTE A RESPONSABILIDADE

Quanto mais você sua no treinamento, menos sangra no campo de batalha.

George S. Patton

 

Atribuir precisamente a responsabilidade de cada Pessoa envolvida capacitando para o comprometimento com o resultado esperado deveria ser o objetivo geral de qualquer Treinamento ou Programa de Melhoria Contínua.

Entretanto, em nossa vivência é muito comum encontramos Pessoas exercendo funções sem ter a menor competência para tal.  Não é apenas a velha estória da “tartaruga que subiu na árvore”; dita para ilustrar quando alguém exerce um cargo da alta cúpula, sem ter as competências para o cargo.

A estória da tartaruga que subiu na árvore se baseia na ideia que tartarugas não têm competência para tal realização e se, portanto, encontrarmos uma tartaruga em cima dos galhos de uma árvore, isso ocorreu por que alguém a levou com as mãos e a colocou por lá.

Assim como um líder incompetente ‘chegou lá’ pois alguém o indicou ou diretamente o colocou naquele cargo por herança.  Mas veja que este é um problema mais relacionado ao processo de Recrutamento e Seleção do que do algo solucionável com um bom Treinamento.

Por sua vez, um excelente programa de Treinamento pode garantir não apenas que gerentes se tornem gestores de excelência, mas também serve para um técnico aplicar uma nova técnica ou vendedores venderem mais e até para os operadores operarem suas máquinas de forma mais produtiva e eficaz.

Aliás, esses são os Treinamentos que mais garantem ganhos de produtividade e lucro para as empresas pois criam as bases para que a busca pela alta performance capaz de garantir a Melhoria Contínua e a Excelência.

Ainda assim, o Treinamento não compete com a educação formal. De fato, a formação educacional e o Treinamento somam forças para qualificação profissional, mas não é suficiente possuir conhecimentos sem saber aplicá-los.

Você consegue nota máxima ao efetuar a soma de 1+1=2 em termos de educação formal. Já em treinamento, é exigida a elaboração ou confecção de alguma coisa com a aplicação deste conhecimento.

Não é o que você sabe que vale, é o que você faz com o que você sabe que determinará o seu valor, mais ainda o profissional. Dito de outra forma, Treinamentos devem desenvolver competências e para tal não basta apenas “transmitir conhecimento”.

Quem é treinado requer não apenas de conhecimento, mas também habilidade prática e a atitude para executar da maneira ideal aquilo para qual foi treinado. Assim, sua atitude, sua vontade, a tal motivação, ou seja, o que motiva a ação é um pré-requisito sim para desenvolver competências.

Em suma é preciso fazer agir se quiser ter maestria em uma determinada competência e saber fazer e não fazer, é não saber!

No caso da tão almejada “Melhoria Continua”, mais do que treinar as técnicas consagradas e a reflexão sobre as atividades que garantem melhorar continuamente, se faz necessário definir as responsabilidades de cada membro do time na realização do projeto e criar condições (leia-se fornecer recursos) para que se possa melhorar continuamente.

Dito de outra forma, mais do que explicar como faz, é preciso treinar o fazer. Além disso, no caso de adultos, eles aprendem fazendo. Torna-se essencial determinar quem será o responsável por fazer e manter feito as atividades realizadas.

Principalmente validando que hoje será feito melhor do que ontem pois é assim que se garantem a melhoria continua do resultado. Por isso é tão importante ter a ousadia de estabelecer um arcabouço forte para sustentar as ações de melhoria continua…

  1. ESTABELECER UM ARCABPUÇO FORTE

“Você nunca fará nada neste mundo sem coragem.”

 Aristóteles

Arcabouço no dicionário aparece como sinônimo de peito e digo isto aqui para lembrar a todos que para melhorar continuamente tem que ter peito, ou seja, ímpeto, determinação, perseverança e coragem.

Mas não apenas o peito no sentido de coragem cabe nesta ilustração. O peito aqui literalmente carrega o mesmo sentido de arcabouço como estrutura do tórax, pois é a estrutura que garante proteção e sustentação de órgãos vitais para a sobrevivência tais como o coração e o pulmão.

No caso da Melhoria Contínua é o mesmo que dizer: “Treinamento é que garante a proteção e sustentação dos resultados”, pois estabelecer um arcabouço forte, ou seja, “uma cultura organizacional de excelência e alta performance capaz de garantir a Melhoria Continua”

O que pressupõe também entender qual o objetivo, garantir os recursos para alcançar, definir quem fazer o que e, principalmente, desenvolver as competências dos envolvidos a fim de que não sejam apenas envolvidos, mas comprometidos com a causa.

Foi-se o tempo em que uma empresa conseguia se manter no topo por um longo período apenas por ter o produto de menor custo ou de melhor qualidade ou então por que a estratégia de marketing era seu diferencial.

Diante de tudo que foi dito, fica clara a importância da capacitação e qualificação das pessoas para a busca pela excelência e alta performance, mas isso não é diferente para a implantação e gestão da Melhoria Continua.

De fato, há uma lacuna entre a necessidade e capacidade de melhorar continuamente e, portanto, é fundamental diagnosticar o estado atual desta capacidade não apenas para utilizar o máximo dela, mas também para desenvolve-la através de ações de treinamento que gerem resultados práticos.

Além disso, será fundamental avaliar o desempenho do treinamento (não apenas do instrutor, mas também de quem planejou e participa dos treinamentos) e, principalmente, validar os resultados seja através de indicadores de desempenho que avaliam a melhoria da qualificação como também quantificando o retorno financeiro que ações resultaram.

Desta forma, não apenas daremos a real importância do desenvolvimento das pessoas no alcance dos resultados, mas garantiremos que a melhoria continua das pessoas garantam a produtividade e certamente o lucro almejado.