O Chamado para sair da inércia

Através das informações que hoje estão disponíveis na internet, ou em workshops e treinamentos como os realizados pela MD TRAINING (ou até mesmo através de professores de cursos técnicos e universidades), já há algumas décadas, os trabalhadores da indústria começaram a ter a consciência de que os problemas rotineiros dos processos produtivos não são apenas ‘problemas’, mas também, ‘oportunidades de melhoria’ capazes de reduzir o custo de produção aumentando a produtividade e qualidade dos processos indústrias quando são eliminadas as perdas.

Enxergar as perdas no processo produtivo e ver os desperdícios e problemas como oportunidades de melhoria é o primeiro chamado para sair da inércia da zona de conforto e passar a encarar as necessidades e desafios da jornada rumo a melhoria continua.

Foi desta forma que as pessoas na indústria passaram a acreditar na importância do 5S e iniciaram os primeiros treinamentos e projetos de Kaizen.. E até hoje muitos se encantam com metodologias consagradas pelas indústrias com padrão de excelência e alta performance no processo. São indústrias que consagraram seus sucessos ao empenho da equipe ao implantar, por exemplo, o TPM ou Lean Six Sigma  ou o mais recente WCM (World Class Manufacturing) em todos os departamentos da fábrica.

PARA QUEM JÁ ESTA NESTA FASE UMA ÚNICA DICA:SABER FAZER E NÃO FAZER É NÃO SABER!

Recusa ao chamado

Porém, os esforços iniciais de 5S morrem com a falta de vassoura ou eliminação de vazamentos das máquinas ou do telhado da fábrica. Os White Belts que foram treinados pelos Yellow Belts começam a criticar: ‘por que só o GreenBelts são chamados para os projetos mais importantes (?)’ enquanto que os BlackBelts e Sponsors (muitas vezes) já não estão mais na fábrica devido ao corte de gastos que a crise atual ou antiga reengenharia impuseram.

Além disso, as consultorias que disseram que resolveriam os problemas da fábrica já estão há anos realizando a implantação do TPM ou do Lean Six Sigma mas apenas mostrando os savings dos projetos baseados em “projeções de economias anuaisque deixamos de ter ao eliminar os desperdícios” mas as vendas só caem, enquanto os custos da matéria-prima, encargos e salários tendem a só a aumentar.

Nesta fase, os donos de fábricas familiares (que, normalmente, são mais céticos aos métodos utilizados nos conglomerados multinacionais) já nem querem mais ouvir as palavras ‘Lean’ e ‘Six Sigma’ ou remetem o TPM ao desiquilíbrio emocional das tensões pré-menstruais.

Isso ocorre, pois eles já não aguentam mais as reuniões apresentando as oportunidades de melhorias, que demandam mais recursos para serem resolvidas, e não eliminam os problemas rotineiros. Por sua vez, os problemas resolvidos são apenas os mais simples e óbvios quase sempre baseados no que o operador disse ou numa observação de determinada situação que não passa de uma fotografia (com filtro) da realidade cruel do chão de fábrica onde os desperdícios e perdas parecem ser sempre maiores que a exigência crescente por produtividade e qualidade.
Na prática, a descrença será maior quando os projetos de melhoria não passam de interpretação dos fatos visando maquiar a real situação, quando na verdade, deveriam ser uma análiseda realidade baseado na “vida como ela é”.

Até por isso, o 5S e o SMED só funcionam em algumas empresas durante a semana treinamento ou da auditoria pois na rotina a falta de eficácia/eficiência na gestão, na comunicação interna e a separação/acusação entre os departamentos ainda acabem sendo os maiores entraves para “cultura de melhoria continua”.
Dito de outra forma, enquanto a Gestão por Funções ainda for mais forte que a Gestão por Processos, haverá uma recusa para aceitar o chamado de sair da inércia da zona de conforto e iniciar a jornada.

Encontro com o mentor da era do conhecimento digital

Cansados de gurus e consultores com respostas prontas ou cases de uma realidade, totalmente, distantes da sua, os donos de fábricas e gestores do século XXI encontram na tecnologia um aliado para virtualizar a realidade. “Por que pagar alguém para dizer as horas no relógio que é seu? Compre um relógio moderno que seja de fácil interpretação e passe você mesmo a ver e fazer o seu tempo.”

Em outras palavras, com a tecnologia, as analises (que há pouco tempo era realizadas apenas por técnicos especialistas e suas planilhas de cálculos) estão disponível em tempo real todos departamentos da fábrica e cada responsável pelos indicadores de desempenho podem tomar as ações corretivas (e preventivas) com maior precisão e eficácia.
Desta forma, com a implantação do MES (Manufacturing Execution System) ou Sistema de Execução da Manufatura, eles passam a preencher uma lacuna que até então era preenchida por apontamentos manuais e planilhas de excel manipuladas para que o resultado apresentado garantissem a meta da gestão por indicadores e garantissem também as notas altas nas auditorias que contudo não garantiam produtividade e lucro.

Raras são indústrias que ainda tem o cartão de ponto sendo marcado mecanicamente, assim como a folha de pagamento, a contabilidade fiscal e o sistema de gerenciamento de estoque (de matéria ou de produto acabado) também já é sistematizado. Por que então, em pleno auge da era digital, o local mais importante da fábrica, a produção, ainda depende de papel e caneta para os registros de apontamento e seu objetivo final monitoramento e melhoria?

Dizem que todo mentor aparece quando o discípulo está pronto a aprender. Exatamente, nesta hora é que acontece o encontro com a maior oportunidade de virada: “o inicio de um projeto piloto de implantação de um Sistema MES como PW-1 da Prodwin.”
Neste momento, é como se um espelho fosse colocado na frente de todos os responsáveis pelo resultado da produção. Com informações vindas direto de um sinal elétrico da máquina ou da linha montagem, tudo que realmente ocorre no chão de fábrica é revelado no Monitor Online.
Além disso com uma infra bem simples como a rede wifi e um servidor os dados onde ficam armazenados todos os dados e, automaticamente, são gerados gráficos e relatórios num dashboard que servirá de gestão a vista a todos que tiverem acesso ao sistema inicia-se a jornada de implantação do MES.
Através de indicadores em tempo real o Sistema MES da Prodwin, transforma o ideal do “Conheça-te a ti mesmo” no maior desafio de todo herói “Torna-te quem tu és”.Mas a implantação do piloto é apenas o início da saga!
Quer saber mais sobre o Sistema MES?
Já conhece o Sistema MES e quer saber o diferencial do Sistema PW-1, então veja também!
Quem saber mais sobre MES mas prefere um vídeo ao invés de ler outro artigo? Então acesse este canal do Youtube e veja as funcionalidade de MES neste vídeo!
Já possui o Sistema MES da Prodwin e quer saber como aproveitar o máximo das suas funcionalidade, então contrate o Treinamento VER e AGIR. Conheça o conteúdo deste e de outros treinamentos.
Continua….