“Só aquilo que somos de verdade é capaz de curar-nos”
Carl JUNG

 

Agora é um dia depois d’outro

Ciclo morto e purificado

Com hematomas e cicatrizes ainda abertas

E certos restos caídos exorcizados

Certas certezas continuam incertas

Porém ficou simples viver por intuição,

Mas nem por isso sem cuidado

Preservamos a mística das leis secretas

 Desalinhavando e reconstruindo o passado

E esta renovada felicidade redescoberta

Tem a Natureza fácil dos cínicos simpáticos

E não ferimos mais nossas asas

Quando mergulhamos juntos

Ou quando dormirmos abraçados

ao voltarmos para casa unidos

Isso mostra que passou e acabou

Que fizemos de nós aquilo que nos tornou diferente dos de sempre

Assim, que tudo enfim se acabe, (espero)

E quando assim descer até Cérbero

Entre na eternidade bebendo a Água da Vida

Sem medo de embriaguez ou da pouca medida

Pois o Tempo de sede e de privação é findo

E o novo é lindo

(26-02-2003)

Revisado em 08-09-08 e ainda acho que será revisado mais vezes…