Confira 3 razões indispensáveis que fazem com que uma solução MES na sua produção seja hoje tão essencial!

Gerenciar um chão de fábrica- da maneira mais efetiva possívelnão é uma tarefa muito fácil, não é mesmo? Inúmeras variáveis operacionais fazem com que este setor crucial para o desempenho corporativo seja uma das mais significativas formas de se obter um alto nível de vantagem competitiva perante um mercado diariamente mais acirrado.

Entretanto, mesmo sendo considerada por muitos especialistas como o próprio coração da indústria, a produção até pouco tempo atrás era encarada como um setor de gerenciamento independente. Isto é, as soluções computadorizadas que surgiam aos montes já na segunda metade do século XX facilitavam a gestão de processos administrativos, mas não os processos fabris.

E foi justamente para proporcionar esta tão necessária solução tecnológica de gerenciamento produtivo, que nos anos 90, a empresa de pesquisas de fabricação norte-americana chamada AMR criou e descreveu o conceito por trás da sigla MES – Manufacturing Execution System, em português, Sistema para Execução da Manufatura.

Neste artigo, você irá compreender o que é e quais são os objetivos de uma solução MES, conferir as 3 principais razões que remetem a importância de contar com este sistema de gestão manufatureiro nos dias atuais, e também conhecer uma renomada empresa brasileira que pode te auxiliar com a implantação de uma solução MES no seu chão de fábrica.

ANTES DE TUDO, O QUE É E PARA QUE SERVE O MES?

Um Sistema para Execução da Manufatura (MES) pode ser definido como a mais moderna solução da atualidade para gerenciar com eficiência todas as etapas de uma cadeia manufatureira – o chão de fábrica, contemplando principalmente os setores de Produção, Planejamento, Manutenção, Qualidade e Logística.

Este sistema trabalha com informações confiáveis e instantâneas sobre a performance tanto de máquinas quanto de operadores, favorecendo assim um processo de tomada de decisão muito mais eficaz. Sua participação ocorre desde a emissão de uma Ordem de Produção (OP) até a entrega do produto final ao respectivo cliente.

Para funcionar, o MES, na maioria dos casos, costuma contar com a participação de CLP’s (Controladores Lógicos Programáveis) instalados nos próprios equipamentos, revelando em tempo real através de dashboards no chão de fábrica e até em dispositivos móveis de gestores e engenheiros o quanto à máquina produziu, qual foi a taxa de refugo e retrabalho, qual foi o tempo perdido com manutenções corretivas, entre outras infinidades de informações.

Por ser um sistema que também procura abranger dados sobre o desempenho de colaboradores no processo, esta solução também usa de dispositivos IHM (Interface Homem e Máquina) para coletar dados sobre os horários de entrada e troca de funcionários em uma linha fabril, os níveis de produtividade por hora, dia e turno, dentre várias outras possibilidades, por exemplo.

De qualquer forma, apesar de ser uma solução que trabalha de modo isolado fisicamente do ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) – por contar com hardware e software, o MES pode ser usado integrado a este sistema, consolidando informações e estimulando a tomada das melhores decisões estratégicas possíveis para o progresso de toda a empresa.

CONFIRA AGORA AS 3 PRINCIPAIS RAZÕES QUE LEVAM UMA EMPRESA A ADOTAR O MÊS:

  1. MAIOR RAPIDEZ E ASSERTIVIDADE NA TOMADA DE DECISÕES CRÍTICAS NO CHÃO DE FÁBRICA!

A maioria das pequenas e médias ainda indústrias contam as planilhas do Microsoft Excel para administrar sua produção, não é verdade? Contudo, já parou pra imaginar a quantidade de dados registrados pelos próprios operadores erroneamente – seja por pressa, estresse ou mesmo fadiga?

Tomar decisões mais produtivas no chão de fábrica exige dados confiáveis, acessíveis, precisos e instantâneos – requisitos que uma solução MES atende com muito mais precisão, apresentando em painéis visuais ao longo do processo e em demais dispositivos eletrônicos KPI’s (Indicadores Chave de Desempenho) e gráficos de desempenho de OEE (Eficácia Global do Equipamento) e CEP (Controle Estatístico de Processos), por exemplo.

  1. POSSIBILIDADE DE UM GERENCIAMENTO DE MÁQUINAS E PESSOAS MUITO MAIS EFICAZ!

Por meio da coleta de dados de equipamentos e operadores, várias informações podem ser conhecidas instantaneamente. Para quem trabalha com manufatura, deve saber que mesmo que uma organização seja classificada como de alto nível mundial, ela está sujeito ao mais variados imprevistos na produção, não é mesmo?

Aqui vale a falta de mão-de-obra em determinado processo, uma matéria prima que foi processada sem estar com a sua qualidade conforme, uma máquina que para em um momento crítico para a produtividade do dia, uma avaria que foi detectada no estoque nas embalagens dos últimos produtos acabados entregues, e por aí vai.

É somente com dados e informações rapidamente processadas e repassadas aos responsáveis pelo problema que um gerenciamento se torna mais ativo e competente, e uma indústria, consegue então acelerar seus níveis de produtividade para otimizar ainda mais o seu poder competitivo em seu mercado de atuação.

  1. ESTÍMULO CONSTANTE PARA A MELHORIA DESEMPENHO EM PROCESSOS E PRODUTOS!

Praticar hoje apenas ações corretivas para a resolução de problemas operacionais é alternativa certa para a falência de um negócio, não concorda? O desenvolvimento de projetos preventivos e para a melhoria de processos e produtos é visto atualmente como a principal estratégia para impulsionar a performance de qualquer indústria.

Seja para eliminar custos e desperdícios ou reduzir a variabilidade e aumentar a confiabilidade de processos, aqui, está incluído tanto projetos Lean Seis Sigma com a Metodologia DMAIC e eventos Kaizen, quanto projetos orientados pelo Ciclo PDCA e pela MASP (Metodologia para Análise e Solução de Problemas).

Só que aí entra um porém: pra ser exequível e ainda mais rentável o andamento destes projetos, os dados e informações coletados precisam representar a oportunidade de melhoria de modo seguro e correto, não é verdade? É como já dizia o Lord Kelvin lá no final do século XIX: “Aquilo que não se pode medir – de maneira confiável – não se pode melhorar”.

QUER SABER MAIS E SE MANTER INFORMADO SOBRE TODO O UNIVERSO MÊS?

Pra isto, eu trago duas dicas pra você: primeiro, continue acompanhando nosso Blog aqui da MD Training, curtindo, comentando nossos posts e até mesmo, quem sabe, sugerindo novos temas para produzirmos. E segundo, com base no que você viu hoje, o que acha de acessar na íntegra o sistema da Prodwin Tecnologias para verificar como o MES funciona na prática e como ele pode te ajudar?